Silêncio.

Era tarde
Tarde da noite
Onde da janela se via a lua
E se ouvia o silêncio.

Havia silêncio na noite
Mas barulho na alma
Inquieta, ela rodava
Entre memórias e angústias já vividas.

E ela não sabia se era ela
Ou se era a mente vagando
Se era ela
Ou a intuição gritando

Mas, naquele momento
Já não importava o que fosse
Era dela
E era sofrido

E ela se entregou
Não ao sofrimento
Mas à vida
Aos acasos

Se fosse para sofrer
Que fosse
Se fosse para viver
Que fosse agora

Que se viva o que vier
O que houver
O que seja
Que seja

Ela cansou
Se rendeu
Ao vivo
Ou ao morto

Que seja.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s